terça-feira, 27 de setembro de 2016

O homem e a mulher



Às vezes a ajuda de macho
Pode ser bem necessário
Baixinho, desengonçado
Ou recém saído do armário
Vai precisar fazer força
Sem ter quem por ele torça
Serve até universitário.

Por outro lado sabe que
À mulher é um ser mental
Inventada pra ser linda
De presença angelical
O belo que o mundo tem
É dessa mulher que vem
Para este mundo animal.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

VISITA A ESCOLA TAVARES BASTOS

A ESCOLA ESTADUAL TAVARES BASTOS COMEMOROU O RETORNO AO ANO LETIVO NO DIA 22 DE AGOSTO DE 2016
FUI CONVIDADO A RECITAR MEUS CORDÉIS




Escola Tavares Bastos 

Interessada em cordel
Pessoas muito animadas 
Para lerem num papel
Uma poesia escrita 
Recitada sem escarcéu.




PERCEBI QUE EXISTEM MUITOS SONHOS A SEREM CONQUISTADOS E QUE ESTES ALUNOS AINDA NÃO FORAM CONTAMINADOS POR COISAS RUINS OU QUE OS DESVIEM DO CAMINHO DO BEM.
PEÇO A TODOS ORAÇÕES PARA QUE ELES TENHAM FORÇA NA FORNADA.
AMÉM.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Inspiração de Quirino, médico pediatra e poeta de São Migule

Inspiração

Escrevo alguma coisa
Quando vem a inspiração
A mente tem que está tranquila
Prá receber a transmissão
O Vento sopra nos ouvidos
E palavras formarão

Tudo já está criado
No arquivo acásico do tempo
Nada é novidade
Não existe nenhum invento
Apenas há manifestação
Cada coisa no seu momento    

Todos estamos conectados
No computador Magistral
Uns mais e outros menos
Temos que sintonizar o sinal
Desejar o bem para todos
E repudiar o mal

                  Quirino - 2016

terça-feira, 30 de agosto de 2016

O sertão - Rosa Maria W Barbosa



Este cordel é de autoria de Rosa Maria Wanderley Barbosa. 
A poeta possui 12 anos de idade.


O sertão é um lugar seco
Sem uma mísera flor
Pois o solo é estragado
Por que lá faz muito calor

         A água quase não existe lá
         A grama também não
         Só há muito mandacaru
         E é assim o nosso sertão


         Mas não é só isso não
         Ainda a muita coisa a falar
         Por que lá é um lugar grande
         Não dá pra gente se calar


         Suas noites são frias
         Parece até que vai nevar
         E quentes são seus dias
         Com um sol que é de rachar


         Lá os seus habitantes
         Vivem em situação de desprezo
         Fazendo receber vários imigrantes
         Nas zonas norte, centro-oeste, sul, sudeste


         Os sanfoneiros que vem de lá
         Trazendo seus jeitos e costumes
         Tocam sanfona para lá e para cá
         As pessoas só ficam a admirar  


         E os animais tem uma diversidade incrível
         No céu voando ou no chão cavando
         São tantas que lembrar de todos é quase impossível
         Se quiser pode ir tentando mas cordel eu vou continuando


         E por aqui finalizamos
         O nosso cordel sobre o sertão
         Espero que tenha sido do agrado
         Pois ele deu um trabalhão






terça-feira, 23 de agosto de 2016

Valdeck de Garanhus





  • Fiquei lendo versos alguns 
  • De Valdeck de Garanhuns 
  • Que não são versos comuns 
  • Da nega de um peito só 
  • Eu percebi com clareza 
  • Na poesia toda beleza
  • De espantar nossa tristeza
  • Ri tanto e fiquei no pó.
Contato: (11) 983499477
valdeckgaranhuns@uol.com.br

domingo, 14 de agosto de 2016

Estado Islâmico e as olimpíadas



Ao pessoal do estado islâmico
Falta ética e compostura
Não vieram nessas olimpíadas
Poque não temos estrutura
Ainda planejaram tudo
Sabendo que era uma aventura.

Mesmo assim eles tentaram
Com as bombas na bagagem
Entraram na vila olímpica
Querendo fazer bobagem
Roubaram malas e pertences
Ficaram na desvantagem.

Os rebeldes desgraçados
Não quiseram testemunhas
Se esconderam nas favelas
Para tramar aquela alcunha
Demoraram pra matar
Pegaram foi chikungunya.

O jeito foi voltar a Síria
Deixando o Brasil na paz
É tolo quem acha ridículo
Que a polícia é quem foi mais
Nós tivemos muita sorte
E proteções celestiais.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Inspiração!

Ó!, que inspiração ruim
Às vezes parece cruel
Eu tento extrair de mim
Algo pra pôr no papel
Doce como pudim
Encantada num cordel.

Cadê você?

Sumiu-se!

terça-feira, 26 de julho de 2016

A dois meus amigos médicos de São Miguel dos Campos